Plataforma de social commerce quer conquistar 1,5 milhão de pessoas em 2013

0,,69826032,00

Foi lançado na última semana, em versão beta, o shopping center online Plitzer. A nova plataforma de social commerce permite criar uma vitrine de compras e personalizá-la.

Você configura preferências e gera um catálogo com produtos do seu interesse, ou seja, uma lista de desejos. O sistema da ferramenta navega pela internet para buscar fotos e informações de produtos, de acordo com suas preferências citadas no cadastro.

O Plitzer também pode ser acessado através de sua conta no Facebook e conta com mais de 500 mil itens e 300 lojas cadastradas. Os produtos são de diversas categorias, como moda, casa, beleza, decoração e aparelhos eletrônicos. A empresa espera conquistar 1,5 milhão de usuários até o fim do ano.

Fonte: Revista PEGN

Anúncios

Como as cores do site afetam nas compras?

O infográfico abaixo esclaresse a utilização das cores no e-commerce e o quanto elas podem afetar o comportamento dos consumidores.

Como as cores do site afetam nas compras?

Kiss Metrics criou um infográfico que explica como as cores afetam os consumidores nos sites de e-commerce, tal como o tipo de consumidores que cada cor atrai, como também outros elementos que podem influenciar na escolha por uma loja específica ou pela compra de um produto e/ou serviço.

Fonte: Ecommercebrasil

Você sabe o que é m-commerce?

m-commerce

O m-commerce é uma derivação do e-commerce, isto é, um comércio eletrônico que permite a realização de transações por meio de dispositivos móveis, como por exemplo, celulares e tablets.

No Brasil, o m-commerce ainda esta amadurecendo, de acordo com um estudo realizado pelo MEF, 79% dos brasileiros já utilizaram o celular em alguma fase do processo de compra de algum produto ou serviço, colocando o país à frente da média mundial, que é de 72%.

Para diversos especialistas não há nenhuma restrição quanto ao ramo de atividade da empresa para o m-commerce, desde que haja um público para consumir esse serviço.

Elcio Ferreira, diretor da Visie, explica que “embora o perfil do usuário seja importante, em minha opinião, o mais importante tem a ver com o tipo de produto vendido. Dificilmente alguém vai comprar uma geladeira pelo celular, embora possa usar o celular para obter informações na hora da compra.

Fonte: Brasil Promo

Redes sociais potencializam vendas no e-commerce

s-commerce-social-commerce

No processo de venda conhecer de perto os hábitos, preferências e escolhas do consumidor é considerado uma “mina de ouro”, principalmente pelas empresas de e-commerce. Por esse motivo as redes sociais se tornaram um excelente banco de dados e as empresas estão utilizando-as para se aproximar ainda mais dos consumidores, otimizando assim suas vendas na web.

Essa integração é conhecida como Social Commerce, s-commerce, e faz parte da evolução do comércio eletrônico que está crescendo aos poucos aqui no Brasil.

Ricardo Sangion, Growth Manager do Facebook explica que “diferente do e-commerce, no s-commerce o consumidor passa a receber em sua página informações sobre seu universo, através das escolhas dos amigos e do mundo social ao seu redor, o que oferece ao funcionário uma experiência totalmente personalizada.”

O Portal FDBE NEXION realizou um estudo sobre s-commerce e revelou números que demonstram a eficiência desse novo segmento:

  • 41% foi o crescimento do e-commerce no Brasil em 2010;
  • 85% dos 78 milhões de internautas do Brasil, afirmam que a utilização das redes sociais é um dos principais motivos do acesso online;
  • 40% dos e-consumidores utilizam as redes sociais para as compras online;
  •  32% dos usuários de redes sociais acessam páginas sociais de empresas pelo menos uma vez por mês;
  •  92% dos consumidores sofrem a influência da recomendação amigos nas decisões de compras;
  •  56% dos usuários do Facebook já acessaram um site de e-commerce após ler um post na rede social;]
  •  40% foi o aumento no número de acessos da página social da Levi’s após a marca inserir o botão “Curtir” em seu website.
Fonte: Portal FDBE NEXION

Comece um e-Commerce utilizando o WordPress

O WordPress.org é um dos principais sistemas de gerenciamento de conteúdo que existe hoje na internet.  De acordo com algumas pesquisas realizadas recentemente, cerca de 25% dos sites usam algum tipo de gerenciador de conteúdo, sendo que 9% deles utilizam o WordPress.

Ele é uma poderosa ferramenta que possibilita inúmeras customizações, tanto para blogs, sites, redes sociais (como por exemplo, o BuddyPress), fóruns e sites de comércio eletrônico.

Conheça algumas ferramentas para você construir um site utilizando o WordPress.org:

WooCommerce

É conhecido por ser um dos principais sites de temas para o WordPress, possui um plugin para transformar uma instalação de WordPress em um e-commerce completo, além de que a ferramenta é gratuita.

WooThemes

Cart66

Sendo um dos principais plugins de e-commerce do WordPress, o Cart66 possui diversas funcionalidades. Seu serviço é pago, porém ele possui uma versão gratuita, sem muitos dos recursos da versão completa.

Cart66

Shopp

Este plugin já está a bastante tempo no mercado e possui diversas funcionalidades. A ferramenta é paga e ainda possui alguns “plugins extras” com valores menores.

Shopp

GetShopped

GetShooped é um dos plugins mais antigos na área de e-commerce que utiliza o WordPres como base. O serviço é gratuito e possui diversas funcionalidades extras que são pagas.

GetShopped

Como você pode ver, o WordPress é uma excelente opção para realizar e-commerce. Possui com diversos plugins incríveis, além de uma ótima estrutura que tem sido desenvolvida ao longo de muito tempo. Você conhece outras ferramentas? Conte-nos e compartilhe.

Fonte: Midiatismo

Publicidade Online Movimenta 3 Bilhões por Ano no Brasil

Comércio Online

A publicidade online no Brasil cresce a cada ano, de acordo com uma reportagem da Folha, atualmente o país movimenta 3 bilhões de reais em anúncios na internet, isto é, cerca de 10% do total de publicidade no país.

O volume ainda é pequeno se compararmos com outros países que investem mais tempo neste mercado como EUA e Reino Unido, com uma participação que vai de 15% a 25%

No entanto as empresas estão com excelentes expectativas, pois acreditam que este volume deverá aumentar com a adesão de mais brasileiros à internet e também com o crescimento das redes sociais no comércio eletrônico.

Fábio Coelho, presidente do Google Brasil afirma:

O mercado de anúncios na internet tem mais potencial do que o de TV e é apenas questão de tempo para que amadureça, principalmente com a massa de usuários que chegará depois do PNBL (Plano Nacional de Banda Larga).

 

Outros dados também foram levantados:

  • Hoje, 35% das residências do país têm computadores;
  •  Do total de lares, somente 27% têm conexão à rede segundo o CGI (Comitê Gestor da Internet);
  • 50% da população brasileira está conectada, sendo que 90% destes internautas se conectam pelo menos uma vez por semana

Acreditasse que com a disseminação do PNBL, que promete internet de até 1 Mbps por preços entre R$ 29 e R$ 35, esses números crescerão de forma significante, podendo até mesmo a dobrar.

Fonte: Folha Online 

Em que momento o consumidor desiste da compra online?

comprar-pela-internet

Você sobe quantos visitantes do seu comércio eletrônico desistem da compra e abandonam o site?  E sabe a razão pela qual eles fazem isso?

Essa duas perguntas são fundamentais para a construção de uma loja virtual, seja ela para oferecer produtos ou serviços e compreender o “porque” o ajudará conseguir melhores resultados.

A ORC International realizou uma pesquisa em 10 países (Austrália, Brasil, Canadá, China, Estados Unidos, França, Alemanha, Japão, Coréia do Sul e Reino Unido) com 10 mil pessoas e com o objetivo de descobrir as preferências, hábitos e apercepção dos consumidores com relação às compras online.

A pesquisa revelou dados bastante curiosos:

  • 67% dos entrevistados no mundo e 53% no Brasil, o preço do frete é o que os fazem desistir das compras;
  • 47% no mundo e 48% no Brasil, as tarifas e impostos adicionais fazem com que os internautas desistam da compra;
  • 39% no mundo e 45% no Brasil, o principal fator no momento da comprar está no tempo de entrega.

O levantamento ainda indica os tipos de produtos que são mais propensos à compra online:

  •  58% no mundo e 63% no Brasil, costumam comprar livros, vídeos e música, com 58%
  • 41% no mundo e 59% no Brasil, adquirem hardware de computadores e software
  • 38% no mundo e 66% no Brasil, compram aparelhos eletrônicos
  • A categoria de vestuário é a menos popular com apenas 11% dos brasileiros.

 

 Fonte: Midiatismo; Portal Educação